por , 20 de dezembro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

Quando chorar

Há um tipo de choro bom e há outro ruim. O ruim é aquele em que as lágrimas correm sem parar e, no entanto, não dão alívio. Só esgotam e exaurem. Uma amiga perguntou-me, então, se não seria esse choro como o de uma criança com a angústia da fome. Era. Quando se está perto desse tipo de choro, é melhor procurar conter-se: não vai adiantar. É melhor tentar fazer-se de forte, e enfrentar. É difícil, mas ainda menos do que ir-se tornando exangue a ponto de empalidecer.
Mas nem sempre é necessário tornar-se forte. Temos que respeitar a nossa fraqueza. Então, são lágrimas suaves, de uma tristeza legítima à qual temos direito. Elas correm devagar e quando passam pelos lábios sente-se aquele gosto salgado, límpido, produto de nossa dor mais profunda.
Homem chorar comove. Ele, o lutador, reconheceu sua luta às vezes inútil. Respeito muito o homem que chora. Eu já vi homem chorar.

— Clarice Lispector, no livro “A descoberta do mundo”. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

por , 17 de dezembro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

Acordei hoje com um sentimento revelador. Abri os olhos, e o pensamento veio perfeito, perplexo, exato: “Sinto saudades de mim”.

Quando me olho no espelho,  não são as rugas ou cabelo branco que vejo. Mas o que tem dentro… o que transborda no espelho é a aparência do que se manifesta dentro de mim.

 


fb_img_1481678599145

 

‘corpo que se pára de funcionar provoca

um grave acontecimento na família:

sem ele não há José Ribamar Ferreira

não há Ferreira Gullar

e muitas pequenas coisas acontecidas no planeta

estarão esquecidas para sempre’

– Ferreira Gullar
Trecho do ‘Poema sujo’

por , 30 de novembro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

15267862_10206307350917505_1226473609451047474_n

por , 29 de novembro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

15232105_1685479308430825_8035022963856861649_n

http://homoliteratus.com/5-licoes-de-dom-casmurro-para-entender-a-crise/

 

bentinho-650x415

É tradição aqui em casa fazer gingerbreads ao nos aproximarmos do Natal. Além de gostoso, é um momento a mais para compartilhar a cozinha com meus pequenos! Todos curtem demais!

INGREDIENTES

50 g. manteiga sem sal em temperatura ambiente;

100 g. açúcar mascavo;

1 ovo;

100 g. mel;

260 g.  farinha de trigo;

½ colher chá de gengibre em pó;

½ colher chá de noz-moscada;

1 colher chá de canela em pó;

½ colher chá de sal;

½ colher chá de bicarbonato de sódio.

 

Modo de fazer:

Primeiro, bata em velocidade média, o ovo e a manteiga, em seguida, incorpore o mel e depois, aos poucos adicione o açúcar mascavo até a mistura ficar homogênea. Reserve.

Misture as especiarias ao bicarbonato, sal e farinha. Incorpore essa mistura à liquida, misture até ficar homogênea!

Enrole essa mala em filme plástico e deixe descansar na geladeira por 1 hora, até ficar mais firme. Pré-aqueça o forno em 180 graus.

Enfarinhe a bancada antes de abrir a massa. Abra a massa com uma espessura mínima de  0,5 cm, se preferir, pode ser mais altinha também, até 1 cm!

Corte com a massa com um molde e coloque o biscoito sobre a  uma assadeira com papel manteiga (untada com manteiga) ou tapete de silicone.

Leve ao forno por 12 a 15 minutos! Fique de olho! Deixe secar em uma grade.

ginger

Glacê real

1 clara de ovo

200 g de açúcar de confeiteiro

1 colher de chá de essência de baunilha ou suco de limão

Misture tudo bem!

Para ter várias cores, divida esse glacê em 2 ou 3 potinhos e pingue algumas gotas de corante comestível.

Coloque em um saco de confeitar e decore seus biscoitinhos! Deixe secar antes de guardar.

Essa receita rende uns 40 gingerbreads!

 

gingerbread

 

 

 

por , 23 de novembro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

saramago

http://www.tsf.pt/cultura/interior/pilar-del-rio-e-a-vencedora-do-premio-luso-espanhol-de-arte-e-cultura-2016-5499130.html

por , 26 de outubro de 2016 em Entrechos. | Nenhum Comentário »

Não, é que vivo em eterna mutação, com novas adaptações a meu renovado viver e nunca chego ao fim de cada um dos modos de existir. Vivo de esboços não acabados e vacilantes. Mas equilibro-me como posso, entre mim e eu, entre mim e os homens, entre mim e o Deus.

Clarice Lispector, in: Um sopro de vida.